A famosa e desejada “orquídea azul”

 

Durante a evolução genética tão admirada nas orquídeas, alguns raros cruzamentos feitos aleatoriamente por insetos (ou outro agente polinizador) resultaram em variações de cores dentro de uma mesma espécie, de maneira semelhante à que ocorre com os olhos dos humanos.

Por exemplo a coloração castanha dos olhos, em diferentes tonalidades, é a mais fácil de se encontrar entre nós. Comparativamente ela seria equivalente à variedade “tipo”, que é como se denominam as flores com a coloração típica da espécie. Para ficar mais claro, vou usar como exemplo a Cattleya walkeriana, que é uma das minhas espécies preferidas, original do cerrado de MG e GO. A variedade “tipo” desta espécie é de coloração rosada, como pode-se ver na galeria de fotos no fim desta página.

Existem também as pessoas com olhos verdes ou azuis, que já são um pouco mais difíceis de se encontrar. Estes casos podem ser comparados às variedades “alba” e “semi-alba”, que são mais raras na natureza. (fotos na galeria)

Uma combinação recessiva, portanto bem rara, dos três pares de gens responsáveis pela coloração das flores dá origem à mítica e incrível coloração azulada nas orquídeas, que é a variedade chamada de “caerulea”, derivado do latim caelum, céu.

 

Cattleya walkeriana caerulea

 

 

Alguns produtores de carácter duvidoso, para se aproveitar desta fama que muitos já ouviram falar mas poucos sabem realmente sabem do que se trata, utilizam corantes para fazer com que orquídeas brancas fiquem com uma coloração azul escura.

Aproveito este texto para deixar bem claro que NÃO EXISTE ESTE TIPO DE COLORAÇÃO NAS ORQUÍDEAS!

E, diga-se de passagem, o resultado é FEIO DEMAIS e não chega nem aos pés de uma verdadeira caerulea como a da foto acima.